Vocação

Publicado: setembro 2, 2009 em Uncategorized

” Porque para isso é que fui enviado . “

Lucas 4. 43

Pensando bem, Jesus teve uma vida muito cheia, pesada, “experimentadada no que é sofrer “. Na adolescência e juventude, como carpinteiro, não houve férias remuneradas, máquinas elétricas facilitadoras da labuta calejante. Foi trabalho duro. O trabalho é sempre duro quando é honesto, comprometido com ética e senso de missão. Nos seus últimos anos de vida, seu Ministério, a coisa só apertou. Se olhamos para Lucas 4, por exemplo, essa tese se confirma: ele vai para o deserto, quarenta dias, o terrível enfrentamento do Diabo. “ Eu sou o Filho de Deus e não tenho de provar nada a você “, diz, em outras palavras , ao Tentador ( Lucas 4.1-13 ).  Volta, dá o ponta-pé inicial no ministério e sua “carreira decola “, com a gente costuma dizer: fama, reconhecimento popular, vira um sujeito renomado e requisitado. A coisa “ tá bombando”. Só dá Jesus. ( 4.14,15 )

É nesses dias de – deixa eu usar essa palavra moderna – sucesso , que acontece um um sábado super-ultra-mega atarefado: pregação na Sinagoga, na sua Nazaré natal, enfrentamento político, descrétido dos amigos, fuga, nem um político em campanha costuma viver uma manhã tão busy e estressante assim ( 4. 16-30). Num outro sábado, ele prega numa outra sinagoga em Cafarnaum, uns cinquenta km de Nazaré . Enfrenta demônios ( 4.31 ) e, novamente, não passa em branco ( 4.32-35 ). Sim,  Jesus é um fenômeno popular. A fama é filha da exaustão. O êxito cobra engargos pesados.

De lá, quem sabe, vai comer um peixe na casa Pedro e encontra a sogra deste de cama, febre alta . Jesus a cura imediatamente. ( 4. 39) Cai a tarde. Mais demônios. Mais demandas. Demandas são demônios: urram diante de nós. Querem possuir. Legiões!

Aí ele faz algo que é o coração da sua energia e vitalidade como pregador, mestre, curador, aliás, como pessoa saudável, bem estruturada, centrada e em paz: despede as multidões. Se retira e recolhe. Fica quieto. Ele sabe que a gente precisa apertar o botão da Pausa de vez em quando, ou nos perdemos diante das multidões: de demandas, de demônios, de pessoas. E as reprende: “ Há outras necessidades, outros doentes. Não me controlem, não me consumam, não me possuam. Eu vim pra isso: dar a Boa Notícia do Reino/Projeto/Sonho de Deus , mas não apenas a vocês! “ ( 4.43 )

O senso de missão, de vocação deve definir não apenas o que e porquê fazer mas quando, onde , como e a quem. Isso vale para pastores e professores, artistas e secretárias, médicos e motoristas – todos precisamos dessa conviccão de Jesus: “Para isso vim ! “ Ou nos sentiremos vazios. A vida de Jesus era cheia, mas nunca vazia.

ORAÇÃO: MEU MESTRE, Jesus de Nazaré, será que posso dizer a respeito da minha agenda  ( de hoje, pra começar ) Para isso vim ? Que eu queira fugir das multidões sempre que, como demônios, começarem a me possuir. Que eu me re-encontre no deserto e no silêncio . Amém.

capanordpq

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s